Bolsa e o dólar sobem no último dia útil de fevereiro com tensão entre o poder executivo e o legislativo e a informação de que no Brasil, há 182 casos suspeitos de portar o coronavírus.

São Paulo – SP

Se não bastassem as tensões internacionais a respeito das notícias de novos casos de coronavírus no mundo, o Brasil enfrenta uma grande tensão entre o poder executivo e o legislativo.

O poder executivo denuncia que está sendo chantageado por deputados e senadores para a aprovação das reformas que tomarão a pauta do Congresso este ano.

A equipe do presidente Jair Bolsonaro já programou uma manifestação nacional contra o Congresso no dia 15 de março (domingo) e alguns líderes do MDB disseram hoje, que podem ir não negociar mais com o governo, após serem chamados de chantagistas.

Hoje no final do dia, surgiu a informação que o presidente do senado David Acolumbre tenta uma negociação com o governo para tentar “esfriar” a manifestação programada para o dia 15.

A crise gerada pelo coronavírus na China e demais países, pode comprometer o valor das exportações brasileiras e com isso, prejudicar a retomada programada para este ano.

Hoje surgiram diversas notícias confirmadas que alguns Salões do Automóvel como o de Genebra, foram suspensos pelos organizadores, para evitar a propagação e o contágio em grandes aglomerações.

Na Itália, diversas escolas não estão funcionando e o governo recomenda que a população só saia de casa se for necessário.

No final da tarde o secretário da Saúde do governo federal informou que os casos suspeitos do coronavírus subiram para 182, em 15 estados e também no Distrito Federal.

Bolsa e dólar sobem

Hoje a Bolsa de Valores brasileira fechou em queda de – 0,81% até o último minuto, mas alguém ou algum fundo fizeram as cotações subirem e ela acabou fechando em uma alta artificial de 1,15%.

O dólar comercial fechou em alta de + 0,52% cotado a R$ 4,4987 conforme o site oficial do Banco Central.

Continua puxando a cotação do dólar a baixa remuneração das aplicações de renda fixa no Brasil, após o Banco Central brasileiro ter reduzido a taxa Selic a 4,5% ano ano.

Segundo alguns executivos do mercado financeiro, o Banco Central errou ao abaixar demais a taxa de juros e enquanto ela estiver neste patamar os investidores optarão por comprar dólar, que é um ativo seguro de reserva de valor com grande liquidez.

Com o dólar alto, a inflação no Brasil deve subir já que o país importa trigo, petróleo, frutas, produtos químicos e uma série de componentes utilizados na indústria e também no comércio.

O Banco Central errou por ter reduzido em demasia a taxa de juros, e se quiser que a cotação do dólar volte a cair, vai ter que subir a taxa de juros.

Escreva um comentário