Honda Automóveis inicia entrega de respiradores de respiradores artificiais com manutenção realizada pela empresa para as unidades hospitalares.

São Paulo – SP

Engajada no combate aos efeitos da pandemia da Covid-19 a Honda Automóveis, iniciou no dia 8 de abril, a entrega do primeiro equipamento com manutenção realizada pela empresa ao Pronto Socorro Municipal Santa Cruz, no município de Iracemápolis, distante a 50 km da fábrica de automóveis em Sumaré, no interior de São Paulo.

O reparo levou cerca de uma semana, incluindo 48 horas de calibração e testes, após a solução do defeito.

Integrante da força-tarefa criada pelo Ministério da Economia para aumentar o número de aparelhos disponíveis para o atendimento aos pacientes infectados pelo novo coronavírus, a Honda Automóveis envolveu cerca de 30 profissionais e parceiros externos no projeto.

“Esse é um dos grandes desafios que o mundo está enfrentado. Somente agindo em conjunto, poderemos superá-lo. A Honda Automóveis está contribuindo com a sociedade e com todos aqueles que seguem na linha de frente da luta contra esse vírus”, afirma Otávio Mizikami, Vice-presidente Industrial da Honda Automóveis do Brasil.

Otávio Mizikami – Vice-presidente da Honda Automóveis do Brasil. Foto: Amauri Yamazaki

A expectativa é atender a demanda de cidades próximas a sua unidade fabril.

A empresa já recebeu cerca de 50 equipamentos e cinco entregas estão previstas para os próximos dias.

Os hospitais ou centros de saúde que possuem reparadores inoperantes devem enviar informações sobre o modelo do equipamento, o defeito e o local de retirada para codia@mdic.gov.br.

As demandas serão priorizadas por ordem de chegada.

O grupo envolvido na força-tarefa da qual a Honda é integrante providenciará a logística de retirada e entrega após o conserto.

A  Honda é a nova maior montadora de automóveis no Brasil com 4,52% do mercado.

A Moto Honda da Amazônia é a maior montadora de motocicletas e scooters do Brasil com 79,7% do mercado.

Honda Automóveis inicia entrega de respiradores para a rede hospitalar. Foto: Caio Mattos

Escreva um comentário